sexta-feira, 6 de julho de 2018

1º Semestre de 2018

Xiii, ainda ontem estava a comer as 12 passas e a beber álcool, como não houvesse amanhã e hoje já estou a tentar perceber se já fiz tudo o que me propus fazer para este ano, em 6 meses..


- Aprender a fazer bombocas de morango;
Noop, ainda não sei, mas ainda tenho 6 meses :)

- Tirar o "Creep" dos Radiohead da minha playlist para correr;
Done!!!

- Deixar de chorar na meta;
Chorar desalmadamente antes da meta, não conta, pois não??

- Deixar de fazer provas com o meu marido...
Gajo, não volto a fazer caminhadas contigo!!! E estou a considerar a possibilidade de o proibir de me ir buscar, no final das provas!!

- Aprender com os erros...
Não é fácil...

- Tirar fotos nas caminhadas;
Noop... No final das caminhadas lembro-me sempre, que não tirei fotos...

- Fazer o teste da passada;
Bolas, é que ainda não consegui...

- Deixar de ser mariquinhas e fazer uma massagem desportiva de vez em quando;
Ahhh, em Maio fui fazer uma massagem. A massagista aconselhou-me a fazer antes uma massagem terapêutica. Estive uns 3 dias cheia de dores... E agora estou a precisar de levar mais uma tareia...

- Aprender a pôr o carro na garagem (e limpar a garagem);
Acho que a garagem tem mais lixo agora, do que no inicio do ano.

- Deixar me de tretas e correr;
Eu tento, a sério que tento...

Assim em 6 meses tenho:
456,4 km

72h 8m

Ganho de elevação - 7.570m

Nada mau...

Para o 2º Semestre, vou ter Tagarro, Serra D'Árga, Coimbra, os 15km do Porto, Évora e a São Silvestre de Lisboa... E sabe-se lá mais o quê

E férias, falta pouquinho...

A história da Meia maratona fica adiada mais um aninho, em 2019 é que é... E as cãibras continuam uma incógnita... A treta na cabeça é que veio baixar a moral, mas há de passar...

quarta-feira, 4 de julho de 2018

Corrida das Fogueiras 2018 - Será engano????

Realmente Peniche não desilude. É sem duvida a melhor prova de estrada do universo (eu sou ET, sei estas coisas)...

No ano passado ia com receio, mas tinha noção que me tinha preparado, treinado. Testei tudo, meias, roupa, playlist, isotónico, sei lá mais o quê... Estava receosa, mas confiante que ia terminar...

Este ano foi o oposto, não treinei quase nada, basicamente fiz umas caminhadas, algumas "brutas caminhadas", mas correr, não fiz grande coisa, porque na semana em que devia fazer mais carga e que me sentia super bem e com energia, "dei demasiada carga", e a minha canela começou a dar sinal de vida. Eu prefiro não me lembrar que tenho canelas... Reduzi logo o treino, para vá 0 kms... Andei mesmo só a fazer caminhadas e só na semana antes das Fogueiras é que ganhei coragem para "correr". Felizmente a minha canela não voltou a dar sinal... Mesmo assim não foi o suficiente para sentir confiança.

Desde os Sinos, que o meu objectivo era fazer as Fogueiras abaixo da 1h.45m. Para baixar quase 8 min dos Sinos e 5 min das Fogueiras de 2017 ia ser necessário um milagre para uma ET (algo perfeitamente alcançável para um comum mortal) conseguir esse tempo. E mais sem treinar NADA!!! Além disso a minha moral está "lá em baixo", mesmo em baixo, há dias que levantar da cama é um sacrifício...

Então, aceitam-se apostas!!

Como foi a a corrida das Fogueiras para a ET, em 2018??

a) A canela deu sinal de vida e a ET desistiu!!

b) A ET tropeçou porque não viu um buraco na estrada e deu um MEGA tralho e desistiu!!!

c) A ET fez EXACTAMENTE o mesmo tempo que em 2017 e ainda recebeu uma força da Belinha!!

d) A ET ficou a dançar com o pessoal que estava na rua a apoiar e fez 2h.20m!!

e) A ET roubou um gel ao Gajo e conseguiu fazer 1h.44m!!!

f) A ET fez uma sestinha e acordou quando o Pepe marcou o golo!!!

g) A ET foi quase sempre a caminhar e fez 2h.01m!!

h) A ET teve que ir ao WC e fez 2h.03m!!!
...

Já chega de possibilidades!! A resposta está mais à frente!!

Para ajudar, uns dias antes da prova, um colega que costuma ir todos os anos escreveu no chat na equipa algo:
"...Quem lá esteve no ano passado viu como foi. O truque é terminar rápido e irmos para o recinto para termos as sardinhas. Se ficarem a espera na meta do último sujeitam-se a não ter sardinhas..."

Obrigadinha ohh PM!!! Na verdade no ano passado mesmo sendo a ultima da equip a chegar, tive direito às sardinhas, assim como todos os que esperaram por mim na meta...

Então sexta-feira fiquei acordada até às tantas a fazer e a comer queijadinhas de limão, para levar como sobremesa para a sardinhada ou jantar caso não houvesse sardinhas para mim...

Sábado acordei cedo, e tomei um super pequeno almoço saudável. Meti-me no carro e fui até ao IPO para o meu turno de voluntariado na pediatria. Aqueles miúdos são uma força da natureza... Qualquer problema/stress/drama que tenha, pura e simplesmente dissolve-se quando estou com aqueles miúdos. Quando saí, senti-me capaz de tudo, com as baterias carregadas e decidi que iria correr os 15km por eles...

Com as baterias carregadas!! 

Voltei para casa, almocei e toca a ir embora para Peniche!!!

Chegámos cedo. Fomos à pastelaria do ano passado, onde desta vez comi um belo pão com chouriço. No ano passado tinha comido uma bifana, cerca de 1 hora antes de começar a prova, e fui o caminho todo a arrotar a bifana... Este ano tinha mais que tempo para fazer a digestão...

O jogo de Portugal (ou a 1ª parte) foi visto numa praça que tinha um ecrã gigante. A 2ª parte foi ouvida nos carros enquanto nos estávamos a preparar... Infelizmente Portugal perdeu...

No ano passado senti necessidade de uma luz extra, em determinadas partes da prova, pois as fogueiras não iluminam tudo e há partes da estrada que estão em más condições. Por isso este ano arranjei uma mini lanterna, que cabia perfeitamente no bolso das leggings...

- Lanterna??? Não precisas de lanterna, o caminho vê-se bem!!!

Lá estava o PM, a falar como se fosse o expert das Fogueiras...

Antes de seguir para a partida, fotos e mais fotos, os abraços. O Gajo, o N, o PF e o PM foram para a onda amarela. O N (doente e cheio de febre) foi para a zona da Elite (máquina). O resto do pessoal foi para a "zona dos lentos", a onda azul...

A partida

Ainda demorei um pouco a chegar à partida, era TANTA gente... Apesar de ter sempre imensas promessas de colegas que dizem que vão comigo, consigo sempre ficar para trás o suficiente para ir sozinha. Tenho noção que se fosse acompanhada, ia ter possibilidade de fazer tempos melhores, mas eu sou uma anti-social nas provas, gosto de ir concentrada na minha musica, não quero conversas com ninguém...

E eis que começa a aventura. Comecei bem, fui a 6.15km/min nos primeiros 500m (é um tempo excelente para mim). Consegui fazer os primeiros 4km abaixo dos 7km/min e sempre sem parar (um feito brutal para uma ET). Mas depois comecei a sentir me cansada e comecei a caminhar na subida a seguir à divisória entre os 15 e os 5... Como estava a chuviscar, o piso estava escorregadio. A partir daqui tentei correr sempre, mas nas subidas apercebi-me que tinha um gémeo esquerdo, que me doía.

- Ohh ET, lá tás tu a inventar desculpas para não correr nas subidas!!!

Dizem vocês (e o Gajo)!! Mas doía mesmo e estava com medo de não conseguir terminar, além disso estava sempre à espera que a canela desse sinal de vida (felizmente esteve sempre sossegadinha), por isso tive que acalmar nas subidas.

Todas as mãozinhas e mãozonas que vi levaram um HI5 meu!!! Este pessoal de Peniche, é sem duvidas incrível, mesmo com a derrota de Portugal e a chuvinha que caia, fizeram questão de apoiar os corredores!!! Era quase impossível caminhar com este incentivo. Dei por mim a bater palmas e a fazer vénias a estes apoiantes!!! Mais uma vez:

OBRIGADA PENICHE, VOCÊS SÃO BRUTAIS!!

Este ano, havia mais fogueiras, algumas delas numa posição um pouco má, já que levei com o fumo e fagulhas de alguma fogueiras, mas sem stress, aquele ambiente abafa qualquer aspecto negativo...

E Sr. PM, fique sabendo que a mini lanterna deu imenso jeito e tive até pessoal "colado a mim" a aproveitar-se da minha luz!!

À medida que o tempo passava, ia percebendo que seria impossível fazer aquilo abaixo da 1h.45m. Que se lixe!!! O importante era acabar e dar Hi5s a toda a gente que visse de mão estendida!!

Numa recta grande eis que vejo o Gajo e o N!!! Finalmente. Felizmente o Gajo vai calado a correr ao meu lado e o N o outro lado a puxar ainda mais pelo publico. Eles deram me um boost de energia.

Já no ultimo km ponho a minha mão na camisola e sinto os pins que foram comigo, o laço dourado (símbolo do cancro infantil) e o símbolo da Acreditar, e lembro-me dos meninos com quem tinha estado naquela manhã. Queria tanto que tivessem ali comigo, bem e felizes. Nesse momento sinto a emoção a percorrer o meu peito e as lágrimas a cair... Tive uma quebra, mas o Gajo e o N ajudaram-me naquele momento. Até a Belinha, sim a famosa Belinha que ia a passar em sentido contrário mandou-me um "Força!!"

Mesmo ao pé da meta, lá estava o pessoal. Ninguém ligou ao PM e resolveram esperar por mim, mesmo com a possibilidade de não terem sardinhas. Obrigada pessoal!!

... e ao chegar à meta, consegui ainda meter o turbo e...

... AAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH!!!

Terminei e pasmem-se fiz EXACTAMENTE o mesmo tempo que no ano passado, não foi engano 1h.50m por isso quem votou na alternativa c) ganhou!!!

Incrível, menos 3 minutos que nos Sinos. Pela primeira vez senti que tinha evoluído. Acho que estou capaz de tentar a meia maratona em 2019!!

Com a medalha na mão, estava na hora de ir buscar o "material" para a sardinhada.

Tínhamos mesa, cadeiras, salada, sumos, café, chá, bolinhos, ahhh e sardinhas, pão e vinho. Saímos de Peniche com uma barrigada de sardinhas e de felicidade.

Realmente Peniche não desilude.



terça-feira, 26 de junho de 2018

Já cansei de ser ET...


Já não chegava o desanimo por não conseguir treinar por causa das dores na anca e na perna, tinha que vir mais uma noticia etzada... Ninguém consegue perceber o porquê de ter cãibras quando me rio, ou quando faço abdominais ou quando estou parada a não fazer nada...

Isto de ser ET às vezes cansa, hoje é um daqueles dias... As fogueiras estão à porta e cada vez mais me parece impossível terminar os 15... O que eu não dava para ser normal...

Vou tentar explicar... No decorrer da semana passada andaram a fazer me uma série de testes para tentar explicar o porquê de eu ter estes episódios de cãibras ridículas... Então fiz analises ao sangue, um electromiograma, que é um exame que utiliza eléctrodos de superfície (choques eléctricos, sim choques) para avaliar a capacidade das células nervosas transmitirem sinais eléctricos. Utiliza também eléctrodos em forma de agulha (sim agulhas espetadas nos músculos, fofo não é??) para avaliar a actividade muscular em repouso ou durante a contracção muscular (roubei este do site da CUF). Alem deste teste amoroso fiz os potenciais de longa latência, que testa a atenção e concentração. Colocaram-me uma touca na cabeça, com um gel nhanhoso e uns phones nos ouvidos. Basicamente tinha que dar um sinal com o dedo sempre que ouvisse um bip diferente... Acho que me portei bem, mas tenho noção que volta e meia distraia-me e viajava para outros planetas...

O ultimo exame foi uma ressonância magnética à cabeça... E para mim foi o exame que mais me custou... Implicava deitar-me numa maca, onde me prendiam a cabeça com uma tiras de feltro e colocavam uma espécie de caixa na cabeça. Dava a impressão que tinha uma jaula na cabeça. Depois enfiaram-me num túnel onde iria decorrer o exame. O segredo para se fazer isto, principalmente para alguém claustrofóbica como eu, é NUNCA abrir os olhos dentro do túnel... 

E adivinhei o que fiz assim que a maca parou dentro do túnel?????

Pois claro, abri os olhos... E tive um ataque de panico... Tinha que sair dali!!!

"Ohhh ET, que mariquinhas!!!" - Dizem vocês...

Pois é mais forte que eu... O senhor que fez o exame foi 5 estrelas, coitado teve uma paciência comigo... E quando me acalmei, voltei lá para dentro, claro com os olhos SEMPRE fechados... Tentei pensar em Gondramaz, nas paisagens lindas que vi na caminhada dos Abutres, na corrida das fogueiras, na mini ET, no Gajo...

Quando terminou, rezei para que nunca mais precisasse de fazer aquilo...

Hoje era o dia da consulta. O dia "C"... O médico é 5 estrelas, com uma paciência de santo... Sentei-me e ele começou a mostrar-me os resultados...

- Então vamos ver... Humm, a ressonância fica para ultimo. As análises estão óptimas, o electromiograma e os potenciais estão normalissimos, não há explicação para as suas cãibras...

- Pois Dr. eu sou uma extraterrestre...

Vi no olhar dele que no fundo concordava comigo...

Olhei para o papel dos resultados da ressonância e li algo que não parecia normal... Qualquer coisa gioma??? O coração ficou a 1000, comecei a ver tudo a andar à roda... Olhei para o medico, ele quase que emanava calma...

- Bem aqui a ressonância detectou dois minúsculos tumores... blá blá blá...

TUMORES???? Bolas... Concentra-te ET e não caias para o lado!!!

- ... são benignos e estão na zona das meninges, que são os tecidos que revestem e protegem o cérebro. São normais em pessoas que fizeram radioterapia há muito tempo... Não se preocupe, apenas temos que os vigiar, para perceber se estão a crescer... Vamos avaliando, entretanto faça a sua vida normal, não se preocupe. Vamos marcar uma nova ressonância para Março (Ohhhhh nãaaaaooooooo).

Obrigadinha ohh vida!!! Sempre a melhorar, parece que cada vez que se analisa algo em mim descobre-se alguma etezisse... Queria tanto ser normal...

E a corrida das fogueiras é já no sábado... E eu só quero ir para a minha cama e pôr-me debaixo dos lençóis... Não quero ir treinar!!!

Haja força, Obrigadinha vida!!!!



sexta-feira, 22 de junho de 2018

Louzantrail 2018

Do 80 para 8...

Depois do que aconteceu no ano passado, ficou logo decidido que haveríamos de voltar à linda serra da Lousã em 2018, para o Louzantrail.

No ano passado ficamos bem impressionados com a organização, a simpatia das pessoas, as tshirts brutais, até para a caminhada, a possibilidade de fazer uma caminhada pela serra, os trilhos brutais, o passeio organizado pela Câmara Municipal. 2018 ainda seria melhor, ou não??

O problema é que quando se vai (nem que seja como trail roady) a uma prova como os Abutres ou os Reis, uma pessoa habitua-se a ser bem tratada, todos são bem vindos, até os que não correm, todos podem participar, até os que não vêm para as ultras, até os que vêm caminhar, até os que só vêm como trail roady (acompanhante de atleta de trail, para quem não sabe).
E eu vinha com a ideia de que o Louzantrail era uma prova de 1ª divisão...

Começou logo bem, todos os "atletas" inscritos receberam um email a dizer que devido ao cancelamento do evento do ano passado teriam direito a um desconto na inscrição em 2018... Pois eu em 2017 estive inscrita, mas não recebi email... E depois apercebi-me que em 2018 não ia haver caminhada... A equipa do Louzantrail não ia organizar caminhada, se eu quisesse ia aos 17km ou teria que fazer a descida nocturna desde o Trevim até à cidade... Bolas tanta serra, tanto potencial e não há disponibilidade para organizar uma caminhada??? Daquelas brutas, tipo a dos Abutres?? Devo estar mesmo mal habituada...

Lá me inscrevi na descida nocturna, onde depois de melgar a organização, tive direito a um desconto... O Gajo inscreveu-se nos 27km. Ainda ponderamos ir ao passeio organizado pela Câmara, mas ohhh, era exactamente igual ao do ano passado. Tanta coisa bonita naquela zona, não iamos outra vez ao Candal...

Sábado lá fomos nós, demos boleia a um amigo que às vezes treina connosco. Foi ele e o seu companheiro, o cajado, que ele tinha apanhado algures num momento de dificuldade. Levou-o para casa, lixou-o e agora é a sua companhia em provas mais duras!!

A viagem foi muito animada, o nosso amigo, o D tem montes de histórias engraçadas. Ele gosta tanto daquilo que por vezes contacta as organizações para participar como voluntário...

Quando chegámos à Lousã fomos deixar o D no local do "chão duro" onde ele iria passar a noite... O problema aqui foi que os atletas apenas podiam ir lá deixar as suas coisas a partir das 21.30... Nem vou comentar. O D só não andou o dia todo com a mala às costas, porque a pôde deixar no nosso carro... Ele lá ficou pela cidade e nós fomos almoçar ao Talasnal, no restaurante da Ti Lena... Ainda deu tempo para parar enquanto subíamos a serra... Que maravilha, que paz...

Pois é, e é linda...


Sai da frente, Gajo!!!

Vista da janela do restaurante Ti Lena

De barriga cheia, fomos mais uma vez explorar a aldeia, atrás do som da água, chegámos até um riacho onde deu até para molhar os pés, que fresquinho... A paz, o som da água, o cheiro da natureza, os raios de sol quentinhos a passar pelas árvores, foi espectacular...

É mesmo lindo...


Livra-te de escorregar!!!


Água fresca...
Infelizmente o que é bom acaba depressa... E já estava na hora de calçar e voltar para a realidade... Acreditem, só naquele bocadinho carreguei as minhas baterias todas... Quem me dera voltar para lá...

Estava na hora de levantar dorsais, fazer check in no Hotel Palácio da Lousã (lindo, se puderem visitem!!!).
Na zona do secretariado uma nova desilusão, a tshirt, nem vou comentar... A descida nocturna era completamente à parte, seria tudo feito noutro local. Aproveitei para perguntar se haveria alguém que pudesse levar os trail roadys até algum abastecimento, mas ninguém sabia nada... Parece que só nos Abutres e nos Reis, que são provas de 1ª divisão, é que há essa preocupação em levar apoiantes aos locais onde passam os atletas e eu pensava que o Louzantrail era uma prova de 1ª divisão...

O D, coitado andava por lá à espera das 21.30 para ir deixar as coisas no chão duro...

Check in feito no hotel e mais uma desilusão, não havia hipótese de fazer late check out... Tínhamos no máximo até às 13 para sair... Já ia obrigar me a, depois da partida do Gajo, arrumar tudo e deixar o quarto. A minha ideia era tentar ir de boleia com alguém, na partida, até algum abastecimento e depois voltava a pé... Assim os meus planos foram por água abaixo... Não queria pegar no carro para subir a serra, tenho pavor de conduzir naquelas mini estradas...

O Gajo fez questão de vir comigo à descida nocturna (sim, sim, eu não aprendo, efeitos da silly season).

E lá seguimos num autocarro, por mini estradas inclinadas até ao ponto mais alto, no Trevim... Pelo caminho ainda avistamos um veado.

A vista é deslumbrante, sem duvida...

360º

Já tinha dito que é bonito???

Lindo...

O pôr do sol

Já tinha dito que é lindo?? Já???? Mas é mesmo bonito...

A descida foi muito bonita, até que ficou tudo escuro e deixou de ter piada... E há coisas que eu não percebo, quando dizem descida nocturna, qual é a primeira coisa que pensamos que temos MESMO que levar??? Pois, é, um frontal, uma lanterna, uma vela, bolas algo que dê luz!!! E não imaginam a quantidade de gente que ia sem luz...
A descida foi basicamente em estradões, com excepção dos últimos km antes de chegar à cidade, foi um caminho muito irregular com uma inclinação tremenda. O Gajo nem aqui deixou de ser chato:

- Então?? Porque vais tão devagar??
- Vamos ultrapassar este grupo!!!

Irra, calma Gajo, não vais ganhar nada, desfruta homem!!!
No final havia uma banda que acompanhou o grupo até ao local onde ia ser servido o jantar (à meia noite), porco no espeto e arroz de feijão, uma delicia. O Gajo ficou à rasca dos pés, parece que uma das unhas do pé suicidou-se na descida nocturna...

Agora estava na hora de "descansar", esperava-nos um dia complicado.

Domingo dia da prova, para não variar, o Gajo adormeceu e desta vez eu também... E depois foi o caos, vestir, comer, e ir a correr (a correr mesmo) para a partida...

Foi a foto possível...

E eis que começa a minha agonia... Cada ambulância que ouvia, era menos um ano de vida...

Fui arrumar tudo para o check out. No hotel garantiram que o Gajo podia tomar banho nos balneários da piscina, mesmo depois de lhes dizer que ele iria chegar todo sujo e a cheirar muito mal.
E o que é que a ET fez depois???

- Foste à piscina!!!! - Dizem vocês!!!
Nooop...

- Foste comprar o jornal e ficaste numa esplanada a descansar!!! - Dizem vocês!!!
Nooop...

Fui arranjar um spot à sombra a cerca de 700m da meta e fiquei lá sentada a aplaudir todos os que passavam por mim...


Spot...


Ou seja fiquei umas 5 horas a bater palmas... Ainda hoje me doem as mãos (por isso é que demorei tanto tempo a escrever este relato) de tantas palmas que bati...
Os ténis de muitos dos que passavam por mim, faziam um barulho tipo "schlep, schlep" o que me fez concluir que havia muito atravessamento de água.
O Gajo lá ia mandando uns SMS's, o que me ia deixando mais descansada, pois o famoso tracking que foi anunciado para podermos acompanhar os atletas, pelo menos para o Gajo, só funcionou depois de ele ter chegado ao Talasnal, mais uma vez, sem comentários...

"Abastecimento bruxas. Tudo OK. Durissimo"

"Castelo 3,3km para o Talasnal sempre a subir. Tudo OK"

"Já passeio Casal Novo, agora as letras Lousã... 2km para o Talasnal"

"Chegada ao Talasnal com 4 horas certas. Perfeito."

Como sempre, via pessoal a chegar que vinha a morrer, outros que ganhavam força quando lhes dizia que faltavam uns 500m. A cada minuto que passava, o pessoal vinha mais acabado, estava muito calor. O D terminou em 4h e tal os 27km, o Gajo, ainda andava lá às voltas na serra.

Almoço de Trail Roady

De casa vinham mensagens de conforto e força, obrigada pessoal, o N, sempre incansável passou aquelas horas todas, sempre em contacto comigo, obrigada N!!

"Devo demorar mais de 6 horas :("

"Castelo parte final 25km todo roto"

Quando o Gajo passa as 7 horas em prova (sim, 7 horas) começo a ficar mesmo stressada, estava tanto calor, a barriga a dar horas... Cada vez que via uma pessoa lá ao fundo de t-shirt branca, pensava que era o Gajo... Até que, olha conheço aquele "correr", GAJO!!!!!!! Ohh que felicidade... Raios partam que o Gajo é mesmo pitosga, só me viu quando estava a uns 5 metros de mim... E o sorriso, mesmo de rastos conseguiu esboçar um sorriso...


Ohhhh Pitosga!!!! Estou aqui!!

E lá fomos os dois para o final, ele vinha mesmo KO, completamente... Na meta havia uma "refeição" mas só para quem tinha terminado o ultra e o longo. O pessoal do curto não teve direito, nem vou comentar... O Gajo lá comeu e foi tomar uma banhoca, no hotel.

No caminho para casa ouvi um monte de histórias do Gajo e do D (que para além do seu amigo cajado, levou da Lousã um pé torcido).

Fiquei um pouco desapontada... Se as organizações só querem a participação das elites, arranjem maneira de barrar os comuns mortais que gostam de se inscrever nestas provas exigentes... Não gostei da forma como esta organização tratou os atletas medianos... Arranjem formas de integrar todos os que vibram com este desporto, os que correm, os que caminham e os que querem só apoiar os atletas.

Agora a próxima loucura, é o Trail da Serra D'Arga, onde as expectativas estão lá em cima. Um evento do Carlos Sá promete ser brutal, espero não ficar desapontada...

E daqui a uma semana, as Fogueiras, ai, ai, ai...

Wish me luck!!

terça-feira, 24 de abril de 2018

Scalabis 2018, a vingança!!!


Esta foi a minha primeira “prova” a sério, em 2016. Uns meses depois da minha médica me aconselhar calma nas corridas, (ela disse que 10km equivale a uma maratona para o meu coração) lá estava eu a cruzar aquela meta em lágrimas, nem conseguia respirar, tal era a emoção. A memória já falha muito, mas a imagem do Gajo a saltar a vedação para passar a meta comigo, é das mais espectaculares que guardo. Em 2016 fiz 1h15m, nada mau para uma ET…

Em 2017 foi o contrario, foi muito mau… Tinha treinado tanto para melhorar, para desfrutar da prova sem dores ou faltas de ar, mas a minha etzisse teve que dar sinais de vida, estava com uma anemia e outras etzisses que me provocavam dores e desconforto. Tive mesmo para não fazer a prova, mas por insistência do Gajo lá a fiz, e ainda por cima com ele. Parece que sempre por altura da Scalabis ele torce o pé. Mas mesmo com o pé torcido ele corre mais que eu. Foi uma provas que eu mais odiei fazer. Não conseguir correr e ter um chato que ainda por cima estava coxo a mandar me correr, foi para esquecer. Nem o facto do N ter aparecido a correr ao meu lado (vindo do nada) ou ter o pessoal todo a apoiar me, ajudou… Foi para esquecer. Fiz um tempo miserável, até para uma ET, 1h20…

Este ano tinha que me vingar. Por uns dias ainda se colocou a possibilidade do gajo ir OUTRA VEZ comigo, já que voltou a torcer o pé há umas semanas atrás… Mas felizmente recuperou a tempo…

Não treinei grande coisa (para não variar) e o meu "ensaio geral" correu super mal, até cheguei a experimentar um gel, mas não senti nenhuma energia extra. Em 2018 ia correr bem, toda a gente sabe que quando o ensaio geral corre mal, a prova vai ser um sucesso, ou não???

Tendo em conta que me deitei  por volta das 3 da manha e levantei me no dia da prova por volta das 8.30, e se somar um pequeno almoço da treta (uma banana e um café) e um almoço numa pizzeria (ET+queijo/natas=desgraça) o sucesso da prova estava a ficar comprometido...

Chegamos a Santarém minimamente cedo, levantamos os dorsais e fomos comer... Com "jantar" saudável e a animação, estava a sentir que a prova poderia correr mesmo bem... Só faltava ter mesmo, mesmo, a certeza que à ultima hora o gajo não se lembraria de vir comigo!! Felizmente ele lá foi todo contente com o N, para os sub 50... Eu fiquei descansada, mais atrás... Liguei logo a play list que preparei para a prova e liguei o meu medidor de frequência cardíaca, que não ligou... Ora bolas, está a começar mal, porque não ligas??? E não ligou, tive que ir sem medir a frequência cardíaca, haveria de correr tudo bem... Ou não????

Desta vez parti na frente, bem, na frente para uma extraterrestre, porque normalmente começo as provas logo no fim, evito assim o stress de ser constantemente ultrapassada... E lá fui eu, meio irritada pelas tartarugas que iam à minha frente e não permitiam que as ultrapassasse...

- #"$$#$#$##"#$%#%$# para as tartarugas, saiam da frente $#%#$"##"#$&#$!!! - Pensei eu.

De certeza que todas essas tartarugas acabariam por me ultrapassar, mas não interessa, por minutos senti me uma verdadeira atleta, parecia que ia bater o recorde do mundo, isto até me começar a faltar o ar...

Quando começou a parte em que cruzamos com o pessoal no outro sentido, lancei me logo para o lado esquerdo. Durante um bocado fui entretida a ver se via o Gajo ou o N.
O Gajo passou por mim, mas nem me viu, raios partam que ele é mesmo pitosga, chamei por ele, e lá me disse adeus. Mais à frente vejo alguém de T-shirt branca de mão estendida a dar hi5. Era o N!!! Estendi o meu braço, e dei-lhe um hi5 mas fiquei na duvida se ele tinha percebido que era eu...

Esta prova é mesmo espectacular, a animação, as pessoas na rua a apoiar, a musica, os Power Rangers, o copo de tinto, é mesmo uma prova única.

O meu copinho de tinto foi bebido de penalti. Soube mesmo bem... Tentei não olhar para o relógio para não stressar com a velocidade, fui ao meu ritmo.

Normalmente as minhas famosas cãibras costumam aparecer depois de correr, muito raramente as tenho enquanto corro, mas na Scalabis tinha que ser diferente a cãibra tinha que aparecer na minha coxa esquerda, era só para chatear ou tinha que ficar por ali?? Será que ia acabar???
Tive que parar e alongar. Houve uma senhora muito simpática que perguntou se eu estava bem. Disse lhe que havia de ficar bem, tinha tido uma cãibra. Afinal existe solidariedade nas provas de estrada...

Felizmente passou mesmo... Vi o Filipe Torres do blog Quarenta e Dois com ar de que tinha terminado a prova em 10 minutos e ia buscar alguém. Ainda lhe gritei um "força Filipe", mas ele ia focado na sua missão.

Depois de passar no quartel vi lá ao fundo o Gajo e o N. Comecei a apontar para o relógio, já estava a contar com eles há muito tempo. E lá fui eu no meio do Gajo e do N...

A parte final fui mesmo espectacular, o fogo de artificio, o N a incentivar o publico a apoiar, o Gajo a correr ao meu lado (calado, sem mandar-me correr), foi mesmo épico...

Resultado:

1h12m

Muito bom para uma ET. Fiquei mesmo feliz.

E para acabar a noite em beleza, uma jola, uma bifana e um pampilho...

Delicia...







sexta-feira, 20 de abril de 2018

Finalmente encontrei-os!!!

"Fui a Marte e voltei..."

Foi o que escrevi na segunda feira a um amigo, para descrever o meu fim de semana...

Agora é que a ET ficou xoné de vez, pensam vocês, mas não. Este fim de semana foi espectacular, tive o privilegio de participar na 9ª Conferencia do Childhood Cancer Europe que foi organizada pela Acreditar e que se realizou em Lisboa de 13 a 15 de Abril.

Para mim este é um assunto muito complicado. Ainda sofro com o trauma do que vivi há 28 anos... E como vi tantos a sofrer, mesmo à minha frente, muitos que já não estão por cá. Há imagens, sons e cheiros que (infelizmente) nunca vou esquecer...

Acho que durante anos fugi ao tema, mas quase de um momento para o outro senti mesmo necessidade de estar com ETs como eu...

Só à alguns meses é que tive a coragem para me inscrever nos Barnabés, que é o grupo de sobreviventes de cancro infantil da Acreditar (basicamente, os ETs Portugueses). Inscrevi me, mas nunca pensei que me contactassem. Passado um dia já tinha um email de boas vindas e um convite para aderir ao grupo deles no Facebook... Fiquei mesmo feliz. Agora era conhecê-los pessoalmente.

Infelizmente, a agenda desta ET anda bastante preenchida, por isso não tinha tido oportunidade de os conhecer, falámos por email, e pelo face... E quando surgiu a oportunidade de participar nesta conferencia, nem pensei duas vezes, inscrevi me imediatamente e fui uma das seleccionadas.

Quando cheguei ao local da conferencia, senti me deslocada, todos se conheciam, mas eu não conhecia ninguém... Felizmente a conferencia começou com um "speed dating". Tínhamos 3 minutos para nos apresentar. Conheci um monte de ETs como eu, médicos, pais... A maioria das vezes em inglês. No final tinha dito tantas vezes, I'm a survivor, que só me apetecia cantar a musica das Destiny's Child...


Foram 3 dias fantásticos, em que aprendi muito, e pasmem se, nem uma lágrima saiu destes olhinhos!!! É tão bom conhecer pessoas que como eu, se queixam que não conseguem correr muito tempo, simplesmente porque fizeram um tratamento. Falávamos todos a mesma língua, como disse o presidente da Acreditar no seu discurso, falávamos todos a língua do cancro infantil...

Também percebi que o IPO de Lisboa é dos melhores hospitais da Europa a nível de cuidados a sobreviventes de cancro. Na maioria dos países europeus este tipo de cuidados simplesmente não existem.

Mas há tanto por fazer...

No final, senti um orgulho tremendo porque sou sobrevivente, sou ET, posso fazer a diferença na vida de alguém que está a passar pelo mesmo que eu passei há 28 anos...



"Now that you're out of my life, I'm so much better
You thought that I'd be weak without you, but I'm stronger
You thought that I'd be broke without you, but I'm richer
You thought that I'd be sad without you, I laugh harder
Thought I wouldn't grow without you, now I'm wiser
Thought that I'd be helpless without you, but I'm smarter
You thought that I'd be stressed without you, but I'm chillin'
You thought I wouldn't sell without you, sold nine million
I'm a survivor (what?)
I'm not gon' give up (what?)
I'm not gon' stop (what?)
I'm gon' work harder (what?)
I'm a survivor (what?)
I'm gonna make it (what?)
I will survive (what?)
Keep on survivin'(what?)"


Ahhh não resisti, tive que pôr a letra da musica das Destiny's Child...

quarta-feira, 11 de abril de 2018

As modas da vida...

Como na moda há as tendências conforme as alturas do ano, também na vida há modas conforme as idades...

Ora pensem comigo...

Há uma altura em que toda a gente desaparece porque arranjou namorado e está muito apaixonada...

Depois quase que é preciso arranjar uma agenda e um emprego extra porque toda a gente lembra se de casar. Há despedidas de solteiros e casamentos todas as semanas. Idas ao shopping arranjar vestidos, sapatos, malas, biju... Marcações semanais no cabeleireiro... Entretanto quando esta altura acalma, aparecem as grávidas...
Recomeça o stress...
Idas ao shopping comprar babygrows e babetes, idas aos chás de bebes, idas ao hospital ver os bebes recém nascidos, idas a casa dos amigos e vê los com olheiras e sem paciência para nada...

Depois o zum zum dos baptizados... E lá vamos nós para o shopping comprar vestidos, sapatos, biju, malas, presentes...

E se achamos que estas fases anteriores são aborrecidas, eis que chega uma outra fase, os divórcios...

Infelizmente esta moda do divorcio anda a rondar a minha vida... Ouvimos que aquele deixou aquela, porque ele arranjou outra... Stress... Na semana passada a moda da altura chegou à casa da minha melhor amiga... Era evidente que as coisas andavam mal, tentei aconselhar a minha amiga da melhor maneira...

"...tem calma, não stresses com tudo o que ele faz..." "...pensem na miúda..." "...tirem um fim de semana romântico..."

Nada funcionou... Quando deixa de haver coisas em comum, respeito e amor entre um casal, deixa de haver motivos para estarem juntos...

Na semana passada fui tentar anima-la, o futuro ex ia jantar com amigos.
Ela está agora a "cair na real", ele vai sair de casa e ela vai ficar com a miúda... Eles já têm tudo combinado...
Cheguei a casa deles e havia um monte de papeis espalhados em cima da mesa da sala. Ele estava a acabar de organizar as facturas... Estivemos a falar muito, do futuro, dos receios de estar sozinha, de não conseguir pagar as contas, de nunca mais conseguir encontrar alguém que a ame... Até que ele chegou mais cedo... Sentia se no ar algo estranho. Ele começou a falar comigo como se nada se passasse e sentou se na mesa para continuar o trabalho de organização...

- S tens que organizar as facturas por tipo!!! Depois trago te uma pasta de fole para organizares as facturas. - Disse ele.

- Ok. Olha vou começar a ir caminhar com a ET às quintas, ok? Ficas com a miúda às quintas?? - Disse ela na maior das descontracções.

- Claro, vou adorar estar com a minha filha... Não te esqueças de andares direitinha nas subidas, tens tendência a curvares as costas...

E eis que eu, sim eu, desato a chorar!!

Também eu cai na real...

Ver a vida da minha amiga a desmoronar assim, mesmo sabendo que ela não era feliz, partiu me o coração, eles já decidiram, o que tomamos como garantido, não está assim tão garantido. E agora como vai ser? Também os amigos que acompanharam todas as modas deste casal também vão sofrer... A S é a minha melhor amiga, é como a irmã que não tive, mas também gosto muito do J, de conversar com ele, de saber a opinião dele sobre tudo e mais alguma coisa.

Não gosto desta moda...